Em comunicado, o INESC TEC, no Porto, explica que os investigadores da empresa de base tecnológica em fase de desenvolvimento iLoF criaram um “sistema portátil” que serve de arquivo a “impressões digitais” de várias doenças neurodegenerativas e permite “testes rápidos e pouco invasivos” em doenças como o Parkinson ou tumores cerebrais.